terça-feira, 19 de outubro de 2010

Blog do Carlos Santos -Terça - 19/10/2010 - 16h32

"CPI do Lixo" é emperrada em Baraúna

A "CPI do Lixo" não decolou em Baraúna.

A sessão que ouviria hoje às 16h o empresário Geílson Oliveira (PSB), irmão do ex-prefeito baraunense Gilson Oliveira (PSB), não ocorreu.
Decisão da juíza da comarca de Baraúna, Uefla Fernandes, ensejou suspensão da audiência.
Vereadores da oposição querem coletar depoimentos de Geílson, que acusa o prefeito Aldivon Nascimento (PR) de comandar uma rede de propinas e desvios de recursos públicos, a partir da terceirização da coleta de lixo no município.
Os governistas obtiveram liminar travando a CPI, que consideram ilegal por vícios formais, que contrariam a Lei Orgânica do Município. A começar pelo número de endossantes à sua constituição.
Paralelamente, corre na Justiça uma Ação Popular que pede o afastamento do prefeito, por improbidade administrativa.
O cenário em Baraúna promete ficar ainda mais tenso adiante.

Nota do Blog - A Lei Orgânica de Baraúna foi modificada na época em que Gilson Oliveira era prefeito, depois cassado.
Ele conseguiu, com franca maioria na Câmara de Vereadores, impor um dispositivo esdrúxulo: para instituição de uma CPI são necessários dois terços de assinatura de integrantes da Casa.
Ou seja, em todo ambiente legislativo democrático, a CPI costuma ser uma manifestação acessível às minorias. Em Baraúna é justamente o contrário.



Nenhum comentário:

Últimas postagens

 

Follow by Email