sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Opinião

LEITURA POLARIZADA DA POLÍTICA LOCAL: SITUAÇÃO SOFRE PERDA TAMBÉM NA PROPORCIONAL

Com dinheiro, "espremeram a laranja", mas votação para a proporcional não deu o que era esperado para a situação.
 A eleição estadual deste ano de 2010 em Baraúna, para os candidatos proporcionais, por ter dois pólos (situação versus oposição), teve vários elementos constituindo o conjunto de votos de cada segmento e pensamentos políticos na cidade. O mais forte, porém, foi o financeiro, o “abuso de poder econômico” dos RICOS sobre os POBRES, tudo no intuito de influir na “consciência” dos eleitores. Significou uma disputa desigual. Os pobres se sobressaíram e ganharam a eleição na soma dos números polarizados.
Mesmo diante do poderio econômico demonstrado pela RICA situação, os pobres da OPOSIÇÃO saíram vitoriosos na MAJORITÁRIA e a soma dos votos concedidos aos candidatos proporcionais da oposição superou a da situação, o que ratifica a compreensão de que Baraúna está vivendo um novo ciclo político implícito, pouco visto por alguns observadores. É a bolha de insatisfação e impopularidade atribuída ao governismo. A existência da bolha é fácil de compreender quando o voto só sai forçado pelo elemento econômico. Nesse cenário, típico de eleição interiorana, a consolidação da liderança fica questionada.
O estabelecimento de uma liderança inconteste, se dá principalmente, com a avaliação pelo povo de candidatos apoiados pela MAJORITÁRIA, onde se lê, com fidedignidade, via polarização, a satisfação de um governo, a atuação ou o deslocamento de tendências políticas. A concentração da forma é mais perceptível. A não ser que o prefeito tenha "relaxado" no voto de Iberê, o que de fato, não foi percebido.
MAJORITÁRIA: Oposição dá vitória acachapante a Rosalba em Baraúna:
A candidata da OPOSIÇÃO Rosalba Ciarline obteve em Baraúna 7.409 votos (67,89%), enquanto Iberê de Souza, apoiado pelo prefeito Aldivon, obtive apenas 3.292 votos (30,17%). Ou seja, uma maioria “esmagadora” de 4.117 votos. O povo disse, no voto, que não acompanha candidato majoritário do governismo local, a qual “garantiu” e “trabalhou”, durante a campanha, que superaria os votos de Rosalba. Não se concretizou o discurso. Esse cenário pode representar a tendência natural e um forte prenúncio para 2012, quando se fala de eleição majoritária, no campo da disputa polarizada.
PROORCIONAL: os números da oposição superam os da situação:
Os candidatos apoiados pelo bloco de situação perderam para os candidatos que fazem parte da simpatia das lideranças de oposição, sem dinheiro, lisos, “pés-no-chão”, sem estrutura e sem abusar economicamente ou politicamente na captação dos sufrágios.
Vejam os números compilados:
Cargo
Oposição
Situação
Maioria pró Oposição
Dep. Estadual
5147
4396
751*
Dep. Federal
6013
5308
705*
(*) observem que a “maioria pró oposição” tanto na disputa para Dep. Federal quanto para Dep. Estadual, é bem próxima.
(**) a votação de Henrique Alves não dá para atribuir a situação, visto que o prefeito – comandante-chefe da situação, não apoiou Henrique(o alardeio no anúncio de apoio a Henrique de parte da situação foi uma estratégia política para obter o Diretório do PMDB local, não sabemos se vai surtir efeito ou não), liberando toda a sua estrutura para João Maia que foi o candidato mais votado para Dep. Federal. Adjano e Ritinha (lideranças locais do PMDB) apoiaram de "corpo e alma" Henrique Alves, são parlamentares com vida política independentes, não foram criados pelo sistema governista do atual prefeito. Os líderes do PMDB Ritinha e Adjano têm vida política própria independente do prefeito e recebem o mérito da votação de Henrique Alves juntamente com Luciana/Gilson Professor.
Nota do Blog: Necessariamente, quem acompanha a situação, deve votar nos candidatos específicos apontados por seus líderes. Não se pode medir liderança apenas com dinheiro e poder econômico nas mãos. É uma leitura equivocada. Dinheiro nas mãos para comprar votos e lideranças comunitárias não é elemento eficaz para se constituir na política e sim captação ilícita de sufrágio (art. 41A da Lei das Eleições). O político que atua apenas com o dinheiro nas mãos – sem propostas, sem trabalho em benefício da população, etc., desejando se reversar no Poder, além de cometer um grave erro, terá vida curta na atividade política. É uma espécie de nuvem de liderança temporária. Ou seja: quem compra votos não é liderança e sim COMPRADOR DE VOTOS. Verdadeiras lideranças são aquelas que conseguem boa votação, por propostas e persuasão legal ao eleitor, por simpatia, sem o dinheiro servir para captar o voto, onde os votos aparecem espontaneamente. É bem verdade que a situação conseguiu dá uma boa votação aos seus candidatos proporcionais. Mas a que custo? O cidadão comum não sabe, mas quem vivencia nos bastidores da política, sim. Porém, em uma leitura estratificada, acurada, pode-se perceber algo interessante: que a eleição 2010 teve um “sabor esquisito” para o governo local. Isso porque, o governismo, a dura custa, concentrou seus esforços e tentou extrair uma votação fenomenal em Baraúna para o candidato Walter Alves, contudo, sua votação não foi boa – como esperada e, obteve 2.011 votos, ficando atrás de Larissa Rosado que teve o apoio também de Marquinhos Churrasco (Presidente da Câmara), Adalberto e uma gama de vereadores. Melhor dizendo: o quadro ficou embaralhado. Analisando os números, se virtualmente excluirmos os votos de boas lideranças locais do PMDB que sempre dão significantes votações aos seus candidatos e diminuirmos ainda a simpatia dos eleitores a Aluízio Alves e a Garibaldi Filho (que queira ou não, consegue refletir de forma direta em Valtinho), conclui-se que o jovem candidato obteve em Baraúna algo em torno entre 950 a 1.100 votos, virtualmente atribuída ao "Chefe do Executivo Local", isso “nitroglicerinado” e “bombado” pela “correria”, “desespero” e “influência” de membros do governismo, nos últimos dois dias de campanha. Ou seja: votação concedida por padrasto e não por pai dos votos. Quanto a boa votação de Larissa Rosado, esta obteve votos miscigenados, tanto da situação como da oposição e atendeu por vários nomes: uma boa parte dos vereadores, Marquinhos Churrasco (Presidente da Câmara), Adalberto(líder estudantil e herdeiro do espólio dos Bezerras) e outras lideranças que orbitaram no projeto. Isso é incontestável. Enquanto isso, conforme os dados já apresentados, mesmo a situação não querendo reconhecer, a OPOSIÇÃO saiu mais pujante, mesmo sem estrutura e sem dinheiro, dando boas e significantes votações a candidatos como GUSTAVO FERNANDES (1.665 votos), DR. LEONARDO (1.122 votos), ANTÔNIO JÁCOME (485 votos), GILSON MOURA (347 votos), CHICO DA PREFEITURA (283 votos), CHICO JOSÉ (264 votos), MIGUEL WEBER (257 votos), etc.
Em 2010, "síndrome do egocentrismo" que atingiu alguns membros do governo local "melou" o que poderia ser uma eleição memorável para a situação.

BLOG DO BERGUINHO

9 comentários:

Anônimo disse...

parabéns edson voce sempre com matérias interessantes traz o estudo dos numeros das votacoes e percebemos que a situação poderia sair melhor mas infelizmente é isso mesmo a oposição tá mais forte mesmo um abraço

Anônimo disse...

o que aconteceu em baraúna é igual o que acontece em várias cidades quando mesmo com uma maioria de vereadores na camara nao consegue eleger o prefeito igualzinho prova de rejeição não aos vereadores e sim ao prefeito

Anônimo disse...

edson sua analise foi perfeita penso assim também foi isso mesmo o que aconteceu

Anônimo disse...

a situação se acha pensa que são donos da verdade os babões todos cargos comissionados se desesperam em saber que podem perder os carguinhos orbitam e vivem de políticos se enxerguem e vão procurar organizar suas vidas para depois quando perderem a prefeitura não se lamentarem

Anônimo disse...

vocês crêem que a turma do "Agora é nós" kkkkkkkkkk daria votação acima da que Aldivon deu a Lavoisier em 2006 , sem prefeitura e sem dinheiro? Duvido eles juntos não tem liderança de uma Lurdes de lachico

Anônimo disse...

agora é nos com ibere, agora é nos com dinheiro da prefeitura, agora é nos com o pmdb, agora é nos com cpi do lixo, agora é nos com Ideb montado, agora é nos com saude e educação de "primeiro mundo", agora é nos com Geilson dizendo o que ocorria no submundo dos negócios, agora é nos sem governo, agora é nos com candidato ficha-suja, agora é nos com a ajuda de construtoras, agora é nos com o nepotismo, laranjas e fantasmas servindo de servidores para melhorar a vida de aliados, agora é nos com fm em Juremal sem sinal puder chegar a cidade e a oposição com radio na cidade. Agora é nos com a mae dos pobres, agora é nos com Gilson, Luciana, Ailton e o DEM unidos para devolver para mossoro produtos importados de 1,99, agora é nos com calçamento "prostituto" que não agüenta ninguém em cima, agora é nos Baraúna kkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

sessentona, peba no suvaco e bundao são três figuras folclóricas do "Agora é nós"..... São eles mesmos. Imaginem se não fossem. Kkkkkkkkkk e ainda dizem que o povo gosta deles brincadeira agridem o senso comum das pessoas todos sabem porque estão lá já participaram de outros desgpvernos e fizeram a mesma coisa nauseantes

Professora decepcionada disse...

O melhor de tudo isso é saber que o senhor Marcos Antonio terá que passar óleo de peroba para encarar seus colegas professores depois da puta safadeza que fez ao mandar para Câmara de Vereadores um plano de carreira que não foi aprovado pela classe. Será, também, marcado pelo Secretário de Educação que fabrica IDEB e aprova aluno reprovado. Que vergonha para a classe!

Anônimo disse...

amigo, vc é mesmo de sorte, mesmo pegando carona nos blogs dos outros recebe elogios, eu em? porque o que vc faz no seu blog é somente criticar.

Últimas postagens

 

Follow by Email